Vale Saúde - Logomarca

Saúde V


Saúde e Bem-estar

Alimentação

Dicas e Curiosidades

Exames

Saúde Mental

Top10 Saúde

Saúde Mental

Sinais que indicam a Síndrome do Esgotamento Profissional

04 de

janeiro

de 2024

assinatura vale saúde

Também chamada de Burnout, condição de estresse extremo decorre de sobrecarga no trabalho.

O que é Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional?

Desde janeiro de 2022, a Síndrome de Burnout ou Síndrome do Esgotamento Profissional foi incluída na revisão da Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID-11) da Organização Mundial da Saúde (OMS) e ganhou status de fenômeno ocupacional grave e de dimensões internacionais.

Esse estado de estresse extremo e crônico geralmente é provocado por situações desgastantes de sobrecarga ou excesso de trabalho. Burnout é uma palavra inglesa utilizada para se referir a algo que queimou até o fim e deixou de funcionar por exaustão.

Segundo um levantamento de fevereiro de 2023 realizado pelo centro de pesquisas e debates norte-americano Future Form, em um universo de 10.243 profissionais de várias partes do mundo, 42% relataram sentir sintomas desse esgotamento conectado essencialmente ao trabalho. Esse é o maior número desde março de 2021, quando foi realizada a primeira mostra pela plataforma de recursos humanos Indeed, que indicou que entre 1,5 mil trabalhadores norte-americanos, 67% acreditavam que a síndrome aumentou durante o período de isolamento social.

A primeira descrição sobre a doença ocorreu na década de 1970, e os estudos sobre o tema vêm evoluindo. Os três pilares que caracterizam o distúrbio são exaustão emocional, despersonalização e baixo sentimento de realização.

Os sintomas podem ser parecidos com os da depressão e ansiedade. Saiba mais detalhes nos próximos tópicos!

Assine o App da Vale Saúde: Plano Individual por R$ 14,90/mês

Impactos psicológicos e físicos de Burnout no indivíduo

Quais são os principais sintomas psicológicos de quem tem a Síndrome?

  • Esgotamento mental
  • Despersonalização
  • Sensação de incapacidade ou inferioridade
  • Irritabilidade
  • Insônia
  • Ansiedade
  • Dificuldade de concentração ou falhas de memória
  • Desânimo, tristeza, angústia
  • Alterações de apetite
  • Perda da libido
  • Procrastinação
  • Falta de criatividade

Os seguintes sintomas físicos podem estar associados:

É importante lembrar que esses sintomas variam de uma pessoa para outra, dependendo da idade, da intensidade das emoções, da maneira como cada pessoa se comporta nas dificuldades e da pressão no ambiente de trabalho. Problemas relacionados ao sono e dificuldade para dormir também são sinais de alerta.

Continue a leitura para saber detalhadamente como as emoções interferem no funcionamento do corpo e da mente e como lidar com essas alterações.

Veja 10 sinais que podem indicar a Síndrome

1.Exaustão emocional

Se você experimenta constantemente sentimentos de fadiga e a sensação de que faltam recursos emocionais, é preciso ficar atento. A exaustão acontece quando o profissional sente que não tem energia para lidar com situações estressoras e com as exigências comuns do trabalho, além da perda do entusiasmo.

2.Despersonalização

É uma característica importante de ser observada, uma vez que é categórica para diferenciar o Burnout do estresse. Também denominada cinismo, ela ocorre quando o paciente passa a agir com indiferença, a ter comportamentos de hostilidade e uma atitude negativa em relação à profissão e a colegas, chefes e clientes. A despersonalização é chamada assim devido ao distanciamento emocional com as outras pessoas.

3.Baixo sentimento de realização

Trabalhadores com Burnout tendem a apresentar menores índices de realização do que aqueles sem a síndrome. Eles se sentem frustrados, desmotivados, constantemente insatisfeitos com suas habilidades profissionais, pensam que suas aptidões são inferiores àquelas necessárias, que não têm a devida competência. Tudo no trabalho se torna motivo de insatisfação e desprazer.

4.Ansiedade

A ansiedade prolongada ou em níveis mais intensos é capaz de resultar em um sofrimento psicológico que afeta o funcionamento diário de um indivíduo, gerando sintomas tanto cognitivos quanto físicos como, por exemplo, insônia, irritabilidade, dificuldade de concentração, dores musculares, etc. Pesquisas demonstraram que 59% dos pacientes com diagnóstico de Burnout também foram diagnosticados com transtorno de ansiedade.

5.Isolamento

Burnout é multifatorial, decorre de diferentes questões orgânicas, sociais e psicológicas envolvidas. Por essa razão, esses indivíduos tendem a apresentar também sintomas depressivos, ideias de inutilidade, fracasso, alta irritabilidade, e dificilmente irão se inserir socialmente. Manter o contato com outras pessoas, ser empático, interagir, ponderar e comunicar são funções do cérebro que ficam acometidas quando se tem Burnout. Com esse desbalanço do funcionamento cerebral normal é inevitável uma busca por maior isolamento e diminuição da interação social, já que esses eventos demandariam do cérebro uma atividade que transitoriamente para ele são mais complexas.

6.Irritabilidade

Nossa habilidade de ponderar e mediar conflitos decorre de ativações específicas no córtex pré-frontal. Ele é o grande moderador entre nossos impulsos e o ambiente externo. No Burnout, essa região apresenta redução da atividade inibitória, e outras áreas são mais ativadas, deixando o indivíduo vulnerável a responder de maneira mais impulsiva, irritável e imediatista.

7.Insônia

É um sintoma comum no quadro de Síndrome do Esgotamento Profissional. Ela surge como um efeito de todo o acometimento psicológico, físico e social. A insônia também é intensificada porque esses indivíduos tendem a se engajar em autocobranças relacionadas ao trabalho e em um estilo de vida nada saudável. A sobrecarga de trabalho, que surge como uma estratégia compensatória para o constante sentimento de fracasso, prejudica as medidas necessárias para um sono reparador. A chamada “Higiene do Sono” envolve táticas como encontrar um horário para descansar, ter hora para ir para a cama, dormir em ambiente tranquilo sem iluminação e ruído.

8.Alterações no apetite

O organismo tende a modificar em parte seu funcionamento para lidar com as adversidades, por meio da mediação de hormônios, como o cortisol. Entre essas modificações fisiológicas, pode ocorrer a redução do apetite em quadros de Burnout ou mesmo na depressão. No entanto, é importante lembrar que o contrário também pode acontecer e se iniciar uma compulsão alimentar em decorrência do predomínio da ação de outras substâncias e sistemas, como o sistema da recompensa cerebral, modulado pela dopamina.

9.Dificuldade de concentração/ esquecimento

É comum haver prejuízo de memória e falha de concentração em quadros da Síndrome de Esgotamento Profissional. Com as dificuldades de sono, cansaço e sintomas emocionais, como ansiedade, o paciente deixa de prestar atenção ao ambiente que o cerca, algo que na psiquiatria é chamado de hipotenacidade.

10.Sentimentos de derrota/incompetência

O trabalhador sente uma redução da sua eficácia profissional, o que significa que ele experimenta constantemente frustração, apresenta baixas expectativas em relação ao seu próprio desempenho e cognições relacionadas a fracasso, deixando-o constantemente descontente com o ambiente de trabalho.

Assine o App da Vale Saúde: Orientação médica por telefone 24h

Estratégias para prevenir e reduzir o estresse

Alguns hábitos saudáveis podem contribuir para o combate à síndrome:

Assine o App da Vale Saúde: Plano Familiar por R$ 21,90/mês

Como procurar ajuda profissional?

A prevenção está diretamente ligada à saúde mental do paciente. Por isso, sessões regulares com um psicólogo podem ser um bom começo para compreender as razões do estresse emocional.

A psicoterapia cognitivo-comportamental, por exemplo, consegue ajudar as pessoas a desenvolverem habilidades de enfrentamento e gerenciamento do estresse. O apoio psicológico ainda é capaz de fornecer um espaço seguro para discutir os desafios emocionais do cotidiano profissional.

Se os sintomas físicos são graves e deixam dúvidas quanto ao diagnóstico, é recomendada uma consulta com um médico psiquiatra. Lembrando que medicamentos só devem ser ingeridos sob prescrição médica.

Tratamentos alternativos também podem compor o quadro de cuidado do paciente, como a prática de yoga e meditação.

Ainda é possível ter acompanhamento com nutricionista para garantir uma alimentação saudável e equilibrada. Os profissionais de saúde podem ajudar a planejar uma dieta que atenda às necessidades nutricionais, mesmo em casos de alterações de apetite e restrições alimentares.

Encontre a ajuda necessária na Vale Saúde

Assine a Vale Saúde e tenha acesso a mais de 60 especialidades médicas, incluindo psiquiatra e psicólogo.

Saiba mais sobre as assinaturas da Vale Saúde e comece a se cuidar!

Burnout

Esgotamento



vale saúde sempre assinatura post

Escrito por Vale Saúde

A Vale Saúde é uma marca Vivo e oferece serviço de assinaturas com descontos e preços acessíveis para você cuidar melhor da sua saúde.

Posts Relacionados

diferença entre psicólogo e psiquiatra

Qual a diferença entre psicólogo e psiquiatra?

O primeiro é um profissional da saúde mental formado em Psicologia, e o segundo é médico especialista

saúde mental

Qual é a importância do lazer para a saúde mental?

Atividades prazerosas conseguem melhorar a qualidade de vida e aumentar a expectativa em até 4 anos

Janeiro Branco: entenda a importância da saúde mental em nossa vida

Janeiro Branco: entenda a importância da saúde mental em nossa vida

Campanha visa a construção de uma cultura da saúde mental e do bem-estar emocional na humanidade.

Receba novidades em seu email

Inscreva-se na nossa newsletter

Ao se inscrever, você concorda com os termos de uso, a política de privacidade e em ser contatado por SMS, e-mail e telefone.