Vale Saúde - Logomarca

Gengivite

Inflamação das gengivas ocorre geralmente por acúmulo de placa bacteriana

Consulta presencial odontológica

A PARTIR DE

R$ 32*

Consulta online com clínico geral

A PARTIR DE

R$ 90*

Desconto em medicamentos

ATÉ

35%

O que é gengivite?

A inflamação da gengiva é chamada de gengivite e normalmente acontece pelo acúmulo de tártaro ou placa bacteriana (também conhecida como biofilme, uma fina película que adere à superfície dos dentes e deposita-se no sulco gengival). A gengiva é um tecido epitelial do corpo humano que reveste o osso do maxilar e da mandíbula, cuja função é segurar os dentes. Quando essa parte da boca fica inflamada, o paciente é diagnosticado com a condição.

A gengivite faz parte do grupo das doenças periodontais. Em estágios avançados, consegue provocar a perda dos dentes e, quando não é tratada, é capaz de levar a doenças cardiovasculares, como a endocardite.

O principal sintoma é a dor local, mas ainda ocorre inchaço na gengiva afetada, vermelhidão, mau hálito persistente e, às vezes, sangramentos ao escovar os dentes, passar o fio dental ou ingerir alimentos mais duros.

Quais são os sintomas da condição?

Os principais sintomas da gengivite são:

  • Inchaço na gengiva
  • Gengivas escuras ou avermelhadas
  • Sangramento na gengiva, principalmente durante a escovação e durante o uso de fio dental
  • Dentes parecem mais longos devido à retração da gengiva
  • Gengivas se separam ou se afastam dos dentes, criando uma bolsa
  • Alterações na mordida (a forma como os dentes se encaixam muda)
  • Mobilidade dos dentes
  • Inflamação (secreção de pus ao redor dos dentes e da bolsa gengival)
  • Mau hálito e gosto ruim na boca
  • Dor na região
  • Aumento da sensibilidade a alimentos muito quentes ou frios
  • Paladar alterado
  • Presença de aftas

Quais são os tipos de gengivite?

A gengivite é classificada como:

  • Reversível: começa como uma inflamação limitada, e o dente é salvo por obturação simples
  • Irreversível: o edema no interior da dentina (corpo do dente, debaixo do esmalte) prejudica a circulação, necrosando a polpa, o que predispõe à infecção

Os tipos são:

  • Gengivite localizada: a gengiva inflamada afeta um ou mais dentes específicos
  • Gengivite generalizada: ocorre quando a inflamação afeta toda a arcada dentária
  • Gengivite marginal: casos em que a infecção atinge a margem da gengiva

A condição também pode ser dividida por intensidade:

  1. Incipiente: é o grau inicial, momento em que a inflamação ainda é leve e mais fácil de ser tratada
  2. Moderada: evolui para sangramentos ao escovar os dentes, com vermelhidão e gengiva inchada
  3. Severa: nesse estágio, os sintomas já ficam mais acentuados, o que deixa a gengiva mais sensível ao toque

Gengivite Ulcerativa Necrosante

A gengivite ulcerativa necrosante (GUN) é uma condição periodontal aguda (infecção de rápida progressão). Mais comum em jovens adultos, ela também é chamada de doença de Vincent e boca de trincheira, devido à sua alta incidência entre soldados na Primeira Guerra Mundial.

Pacientes com essa enfermidade apresentam uma saúde bucal seriamente comprometida e necessitam de intervenção imediata para evitar complicações graves. Além dos sintomas citados acima, a dor é intensa, há a presença de úlceras com bordas cinzentas na gengiva e ocorre febre e mal-estar geral (em quadros severos).

Quais as causas e fatores de risco da gengivite?

A gengivite é causada pela proliferação de bactérias encontradas naturalmente na boca, que levam ao desenvolvimento de placas bacterianas ou tártaro no sulco gengival (entre a gengiva e os dentes), resultando na inflamação na gengiva e no aparecimento dos sintomas. Confira os fatores capazes de contribuir para o surgimento da condição:

Como é feito o diagnóstico de gengivite?

Após a anamnese, o diagnóstico da gengivite é feito pelo dentista ao avaliar a gengiva e os dentes, verificando a presença de placa bacteriana ou tártaro, inchaço e vermelhidão. Quando o profissional toca as gengivas com instrumentos, ocorre sangramento fácil.

O especialista analisa ainda o histórico de saúde, hábitos de vida e uso de remédios capazes de provocar os sintomas. Geralmente, não são necessários exames para confirmar o diagnóstico.

Se o dentista suspeitar de periodontite, deve solicitar um raio-X panorâmico, de forma a avaliar a perda óssea na região afetada. Caso as causas da condição não estiverem esclarecidas, exames específicos complementares podem ser feitos.

Gengivite tem cura? Qual é o tratamento?

A gengivite tem cura. O tratamento é eficaz se o problema for detectado no início, podendo ser resolvido no próprio consultório. No entanto, é importante que o paciente continue com boas práticas de limpeza bucal em casa para evitar que a inflamação retorne. O dentista deve orientar sobre a higiene apropriada (com a escovação correta dos dentes e utilização do fio dental diariamente).

Em casos mais avançados, o especialista receita o uso de antibióticos, na forma de comprimidos por cerca de 5 dias, e de enxaguantes bucais antissépticos, para eliminar mais rapidamente as bactérias e permitir que a gengiva cicatrize.

Já em outros quadros, o tratamento visa ao controle da inflamação e à remoção do tártaro, fazendo uma limpeza profissional em consultório (raspagem no contorno da gengiva), além da utilização de ultrassom ou spray com líquido composto por alguns sais, visando a eliminação de focos de infecção.

A cirurgia periodontal apenas será necessária quando as práticas anteriores não surtem os efeitos desejados.

Como prevenir a gengivite?

O trio composto por escova, fio dental e enxaguatório bucal é a fórmula caseira para prevenir o tártaro e deve ser usado após cada refeição e antes de dormir. A orientação é começar passando o fio dental antes da escovação, não apenas entre os dentes, mas também no sulco das gengivas. Ao mover-se de um dente para outro, é preciso deslizar o fio dental de modo a usar uma parte que não esteja contaminada pelos resíduos removidos do dente anterior.

A escovação deve ser realizada com movimentos suaves, utilizando uma escova de cerdas macias. Certifique-se de passar a escova em todas as superfícies dos dentes (interna, externa e nas pontas), no espaço entre eles e na gengiva.

Em seguida, utilize o enxaguatório bucal para eliminar as bactérias que contribuem para a formação do tártaro. Ainda é primordial fazer visitas regulares ao dentista (duas vezes por ano ou sempre que notar alguma alteração bucal). Somente a limpeza profissional consegue remover o tártaro que não é eliminado durante a higiene bucal em casa.

Não fumar é essencial para prevenir a gengivite, a periodontite e suas complicações. Além de evitar o consumo de açúcar, outra medida sempre recomendada pelos profissionais de saúde é manter uma alimentação equilibrada para garantir nutrição adequada para o osso da mandíbula/maxilar e dos dentes.

Assine e agende uma consulta

Escolha uma assinatura ideal para você e agende sua consulta agora:

Especialistas mais indicados para o tratamento

Dentista