Vale Saúde - Logomarca

Saúde V


Saúde e Bem-estar

Alimentação

Dicas e Curiosidades

Exames

Saúde Mental

Top10 Saúde

Saúde e Bem-estar

Dezembro Vermelho: previna-se contra o HIV e outras ISTs

05 de

dezembro

de 2023

dezembro vermelho
assinatura vale saúde

Campanha busca alertar, conscientizar e enfrentar o HIV, a Aids e outras ISTs

O que é o Dezembro Vermelho?

O Dezembro Vermelho é uma campanha instituída no Brasil a partir da Lei nº 13.504/2017. O objetivo é propor uma mobilização social e nacional contra o vírus do HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

Dessa forma, durante todo o mês de dezembro, surgem ações que procuram alertar, conscientizar, enfrentar e prevenir o HIV e outras ISTs. Além disso, a data marca a luta pelos direitos das pessoas portadoras de HIV e busca, também, divulgar informações a respeito dos tratamentos disponíveis para a doença.

A escolha do mês para realizar essas ações acontece devido ao Dia Mundial contra a AIDS, celebrado no dia 1º de dezembro desde 1988. No Brasil, dezembro ainda é símbolo do combate de diferentes infecções que podem ser transmissíveis por contato sexual, como herpes genital, HPV, sífilis e gonorreia.

O que é HIV?

O HIV é o vírus da imunodeficiência humana (em inglês, human immunodeficiency virus). Trata-se de um microrganismo que ataca o sistema imunológico, deixando o paciente sem defesa para qualquer tipo de outras doenças.

Todos os humanos saudáveis possuem o linfócito T-CD4+, uma célula de defesa responsável por organizar toda a resposta do sistema imunológico. Essa célula é muito importante, porque é capaz de memorizar agentes que já infectaram organismo anteriormente, identificá-los e combatê-los. E é o principal alvo do HIV.

Quando alguém é infectado pelo HIV, o vírus se conecta à membrana do T-CD4+, altera o DNA da célula e começa a se multiplicar, destruindo o linfócito. Esse ciclo continua e o sistema imunológico enfraquece com o tempo, tornando-se incapaz de combater outras doenças.

HIV e Aids: entenda a diferença

Diferente do que muitas pessoas pensam, HIV e Aids não são sinônimos. Distinguir os dois termos também é um dos objetivos do Dezembro Vermelho, pois ser portador de HIV não significa, necessariamente, que a pessoa também possui Aids.

A Aids, ou Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (em inglês, Acquired Immune Deficiency Syndrome), surge a partir do momento que o HIV consegue incapacitar gravemente o sistema imunológico.

É considerado um estágio avançado da contaminação pelo HIV e o paciente pode apresentar diversos sinais e sintomas, incluindo o surgimento de doenças conhecidas como oportunistas, como tuberculose, pneumocistose e alguns tipos de câncer (sarcoma de Kaposi, por exemplo).

Quando uma pessoa é contaminada pelo HIV, ela se torna soropositiva e pode viver anos sem desenvolver ou ter qualquer sintoma de Aids. No entanto, é preciso ter cuidado, porque mesmo sem desenvolver a Aids, é possível transmitir o vírus para outras pessoas.

Porém, se o paciente fizer o tratamento correto com antirretrovirais e a carga viral se manter indetectável por pelo menos seis meses, o HIV deixa de ser transmissível. Nesses casos, o indivíduo também consegue viver normalmente, com uma boa qualidade de vida, sem evoluir para Aids.

Transmissão do HIV: saiba como se prevenir corretamente

O HIV é considerado uma infecção sexualmente transmissível. Dessa forma, o principal meio de contágio é pelo sexo vaginal, anal ou oral sem preservativo.

Também é possível ser contaminado pelo vírus das seguintes formas:

  • Ao receber transfusão de sangue contaminado
  • Ao compartilhar instrumentos perfurocortantes, como seringas, agulhas e alicates de unha sem esterilizar corretamente
  • Mulheres grávidas soropositivas podem transmitir o vírus para o bebê durante a gravidez, o parto ou a amamentação

Dessa forma, para prevenir a contaminação pelo vírus, é recomendado utilizar camisinha masculina ou feminina em todos os tipos de relações sexuais, independentemente do parceiro.

Também é importante não compartilhar seringas e agulhas, e utilizar outros objetos perfurocortantes apenas se houver a esterilização correta. Para manipular feridas e líquidos corporais, é indicado o uso de luvas durante todo o procedimento.

Mulheres soropositivas que estão grávidas ou desejam engravidar devem usar antirretrovirais durante toda a gestação para evitar a transmissão vertical. É indicado, também, não amamentar nessas situações.

Assine o App da Vale Saúde: Plano Individual por R$ 14,90/mês

Outras infecções sexualmente transmissíveis também são pauta do Dezembro Vermelho

Como falamos anteriormente, o Dezembro Vermelho também tem como foco outras infecções sexualmente transmissíveis além do HIV.

Antigamente, era utilizado o termo Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST), mas a expressão foi substituída por Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) porque, desse modo, é possível destacar que a pessoa pode ter ou transmitir a infecção, mesmo sem exibir sintomas de que está doente.

Assim como o HIV, o principal meio de contágio das ISTs é por contato sexual sem camisinha. Confira alguns exemplos desse tipo de infecção:

As ISTs são causadas principalmente por vírus e bactérias. Os sintomas incluem corrimentos, feridas e verrugas, que aparecem nas regiões genitais e anais, e em outros locais do corpo, como boca, palma das mãos e olhos.

A melhor maneira de prevenir contaminações por IST é fazendo sexo com preservativo ou, em alguns casos, com imunização. É necessário ter em mente que nem todas as infecções têm cura, por isso a prevenção é essencial.

As ISTs causadas por vírus podem ser controladas, mas nem sempre têm cura, como é o caso do HIV e do herpes. Já casos de gonorreia, clamídia e sífilis conseguem ser curados com o uso correto de antibióticos.

HIV no Brasil: diagnóstico não é mais sentença de morte, mas os alertas continuam

Os anos 1980 foram marcados pelo auge da epidemia de HIV e Aids em todo o mundo. Em 1981, foi registrado o primeiro caso, e em 1983 o vírus foi identificado. Até o início dos anos 1990, é estimado que cerca de 30 mil pessoas tenham morrido vítimas da doença.

Naquela época, não havia tratamento para o HIV, fato que elevou a mortalidade da infecção. Agora, nos anos 2020, temos um novo panorama: no Brasil, 92% das pessoas soropositivas que estão em tratamento já atingiram o nível em que o vírus não é mais transmitido, de acordo com o Ministério da Saúde.

Em dez anos, o país registrou queda de 8,5% nos números de óbitos por Aids – foram 12.019 mortes em 2012 contra 10.994 em 2022, conforme dados do Ministério da Saúde. O tratamento com antirretrovirais é responsável por possibilitar uma vida mais saudável para as pessoas soropositivas e por diminuir a queda na mortalidade. Contudo, a epidemia ainda precisa ser combatida.

Entre 2011 e 2021, mais de 52 mil jovens de 15 a 24 anos com HIV evoluíram para quadros de Aids, segundo o Ministério da Saúde. Esses números apontam que, mesmo com tratamento disponível, a prevenção da infecção é a melhor maneira de combater o HIV e a Aids.

Em todos os países, de acordo com a ONU (Organização das Nações Unidas), 1,5 milhões de pessoas foram infectadas pelo HIV em 2021. Desde o início da epidemia, 84 milhões de indivíduos contraíram a infecção.

Tenha os cuidados necessários com a Vale Saúde

A assinatura da Vale Saúde garante os cuidados que você precisa. São mais de 60 especialidades médicas, incluindo clínico geral, infectologista, ginecologista e urologista, que estão capacitados para tratar HIV e outras ISTs.

Nesse Dezembro Vermelho, converse com o seu médico de confiança sobre as prevenções para esses tipos de infecções. Faça sexo seguro, apenas com o uso de camisinhas e conte com a Vale Saúde para cuidar de você!

Dezembro Vermelho



vale saúde sempre assinatura post

Escrito por Saúde V

A Vale Saúde é uma marca Vivo e oferece serviço de assinaturas com descontos e preços acessíveis para você cuidar melhor da sua saúde.

Posts Relacionados

check-up médico

Você sabe o que é um check-up médico?

Quer saber como se cuidar? Faça o seu check-up regularmente e veja os benefícios

você sabe o que é um check-up médico

Você sabe qual é a diferenças das receitas médicas?

Ter uma receita médica é fundamental para adquirir alguns tipos de remédios

consulta telemedicina

Quando posso fazer uma consulta por telemedicina?

Saiba quais são as especialidades que atendem em consultas online

Receba novidades em seu email

Inscreva-se na nossa newsletter

Ao se inscrever, você concorda com os termos de uso, a política de privacidade e em ser contatado por SMS, e-mail e telefone.