Vale Saúde - Logomarca

Fibromialgia

Condição sem causas conhecidas provoca dor nos músculos e tecidos moles de todo o corpo

O que é a fibromialgia?

A fibromialgia é uma doença em que há dor generalizada nos músculos e articulações, acompanhada de problemas de sono, fadiga e humor. Às vezes, até alteração no pensamento, com incoerência.

Estudos indicam que essa condição amplifica sensações de dor, o que afeta o modo como a medula espinhal e o cérebro processam sinais dolorosos e não dolorosos. As pessoas com fibromialgia também têm lugares do corpo que doem muito quando são tocados.

Em geral, os sintomas têm início depois de um evento, como cirurgia, trauma físico, infecção ou estresse psicológico significativo. Há outros casos em que os sintomas se acumulam de forma gradual ao longo do tempo sem a existência de um evento único.

Mulheres têm maior propensão a desenvolver fibromialgia do que homens. Muita gente que sofre do problema também tem depressão, ansiedade, distúrbios da articulação temporomandibular, síndrome do intestino irritável e dores de cabeça tensionais.

O que causa fibromialgia?

Pesquisas indicam que a estimulação nervosa repetida gera modificações no cérebro e na medula espinhal de quem tem fibromialgia. Essa alteração inclui uma ampliação anormal dos níveis de certas substâncias químicas que sinalizam a dor no cérebro.

Em paralelo, os receptores de dor cerebrais parecem desenvolver um tipo de memória da dor e se tornam mais sensíveis. Isso significa que eles podem reagir de maneira exagerada a sinais dolorosos e não dolorosos, o que gera a chamada crise de fibromialgia.

Existe a possibilidade de que diversos fatores levem a essas alterações, incluindo:

  • Infecções: determinadas doenças parecem provocar ou agravar a fibromialgia.
  • Genética: a condição tende a acontecer em famílias. Por isso, pode existir determinadas mutações genéticas que podem tornar a pessoa mais suscetível a desenvolver o problema.
  • Eventos emocionais ou físicos: algumas vezes, a fibromialgia pode ser provocada por um evento físico, como um acidente. Estresse psicológico de longa duração também pode causar a condição (a chamada fibromialgia emocional).

Quais são os sintomas da fibromialgia?

Alguns dos principais sintomas da fibromialgia são:

  • Dor generalizada: os pontos de dor são descritos como constantes, incômodos e duram, ao menos, três meses. A dor é considerada generalizada quando ocorre acima e abaixo da cintura e em ambos os lados do corpo.
  • Fadiga: com frequência, quem tem a doença acorda cansado, mesmo se tiver dormido por muitas horas. A dor costuma interromper o sono. Muitos pacientes têm outros distúrbios do sono, como apneia e síndrome das pernas inquietas.
  • Dificuldades cognitivas: há sintomas que interferem na capacidade de concentração, como focar em tarefas mentais ou prestar atenção.

Em geral, a fibromialgia coexiste com outros problemas, como:

Quais são os fatores de risco da doença?

Alguns dos fatores de risco para fibromialgia são:

  • Gênero: o problema é diagnosticado em mulheres com mais frequência do que em homens
  • Histórico familiar: a pessoa pode ter maior probabilidade de desenvolver fibromialgia se um dos pais ou irmão também apresentar o problema
  • Outros distúrbios: quem tem artrite reumatoide, osteoartrite ou lúpus, pode ter probabilidade maior de desenvolver a doença

A fibromialgia tem cura?

Apesar de não haver cura para a condição, diversos medicamentos auxiliam no controle dos sintomas. Relaxamento, exercícios e redução do estresse também podem ajudar.

Como tratar a fibromialgia?

O paciente com fibromialgia deve procurar um reumatologista, profissional que está preparado tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento da síndrome.

De maneira geral, tratamentos para fibromialgia incluem estratégias de autocuidado e medicamentos. O foco está em melhorar a saúde geral e minimizar os sintomas. Não há um tratamento que funcione para todos os sintomas. Mas tentar estratégias variadas pode apresentar um efeito cumulativo.

Tratamentos para fibromialgia:

Medicamentos

Remédios podem ajudar a melhorar o sono e diminuir a dor em pontos da fibromialgia. Algumas opções costumam incluir:

  • Analgésicos: analgésicos como ibuprofeno, paracetamol ou naproxeno sódico podem ter utilidade. Não são recomendados remédios opioides, já que podem levar a significativos efeitos colaterais, dependência e ao longo do tempo piorar a dor.
  • Antidepressivos: alguns antidepressivos são capazes de ajudar a aliviar a dor e a fadiga relacionadas ao problema. O médico pode receitar um relaxante muscular para ajudar a melhorar o sono.
  • Anticonvulsivos: muitas vezes, remédios para tratar a epilepsia são úteis na redução de determinados tipos de dor.

Educação do paciente

Os pacientes devem ser educados sobre a doença (incerteza sobre sua causa; opções de tratamento e papel do paciente como protagonista da gestão de sua saúde; boa higiene do sono e os efeitos adversos do sono ruim na dor) e a importância do tratamento de comorbidades que podem contribuir para os sintomas, incluindo distúrbios do humor ou do sono.

A redução de peso deve ser encorajada em pacientes significativamente acima do peso. Os fatores psicossociais devem se concentrar em um modelo de doença biopsicológica de dor crônica. Técnicas de tratamento, como terapia cognitivo-comportamental (TCC) podem ser úteis.

Terapias

O que é bom para fibromialgia? Diversas terapias diferentes podem ajudar na redução do efeito que a fibromialgia tem no organismo e na vida do paciente. Alguns exemplos:

  • Terapia ocupacional: pode ajudar o paciente a realizar ajustes na maneira como executa determinadas tarefas ou na área de trabalho para que causem menos estresse ao corpo.
  • Fisioterapia: movimentos para melhorar a resistência, flexibilidade e força do paciente. Exercícios na água podem ser muito úteis.

Quais são as complicações da doença?

A fibromialgia pode matar? Não, mas a fadiga, a dor e a má qualidade do sono relacionadas à fibromialgia podem interferir na capacidade do paciente desempenhar funções em casa ou no trabalho. Por isso, a fibromialgia é considerada doença grave.

A ansiedade e a depressão também podem ser resultado da frustração em lidar com uma condição que ainda é incompreendida muitas vezes. Por isso, é importante buscar meios de atenuar as dores da fibromialgia.

Artigo revisado pelo Dr. Fábio Poianas Giannini (CRM 100689)

Assine e agende uma consulta

Escolha uma assinatura ideal para você e agende sua consulta agora:

Especialistas mais indicados para o tratamento

Psicólogo

Leia mais no nosso blog Saúde V