Vale Saúde - Logomarca

Cálculo Renal (pedra no rim)

Condição é marcada por cólicas intensas e náuseas, mas hábitos saudáveis podem ajudar a preveni-la

O que é cálculo renal?

O cálculo renal, também chamado de pedra no rim, urolitíase, nefrolitíase ou litíase renal, é uma doença causada pela formação de substâncias minerais no sistema urinário.

Geralmente, esse tipo de pedra surge quando a alimentação é rica em proteínas e sódio, e o consumo de líquidos é baixo. Isso faz com que a urina fique mais concentrada e os sais minerais presentes nela se agrupem e formem uma ou mais pedras nos rins.

Pedras pequenas podem ser eliminadas naturalmente do corpo pela urina. Mas quando são maiores, podem obstruir o escoamento da urina, dilatando a estrutura dos rins e causando cólicas renais intensas.

As fortes dores só aparecem quando os cálculos se deslocam em direção ao ureter (canal que transporta a urina até a bexiga). Em alguns casos, o paciente pode precisar de cirurgia para remoção.

Muito comum, a condição, que afeta cerca de 13% da população, é considerada uma das mais dolorosas que existem. Pacientes relatam que a dor de pedra no rim pode ser pior que a dor do parto, de fraturas ósseas e até mais forte que a dor causada por queimaduras.

Saiba mais sobre cálculo renal com o urologista Dr. Hugo Octaviano

Quais são os tipos de cálculos renais?

Cerca de 80% das pedras são compostas por sais de cálcio, como oxalato de cálcio e fosfato de cálcio. Também existem cálculos à base de ácido úrico, estruvita (magnésio + amônia + fosfato) e cistina.

Existem quatro tipos de cálculos renais e eles podem variar em forma, cor e tamanho, são eles:

  • Cálculo renal de cálcio: de origem hereditária, são os mais comuns e acometem principalmente homens de 20 a 30 anos. Uma dieta com baixo teor de sódio e proteínas pode evitar o problema
  • Cálculo de cistina: surge em pessoas com uma doença renal crônica chamada de cistinúria. O problema é hereditário e pode afetar homens e mulheres
  • Cálculo de estruvita: pode surgir devido à infecção urinária. São os cálculos que mais crescem e podem bloquear os pontos do sistema urinário onde se encontram. Como são grandes para serem eliminados pela urina, podem necessitar de procedimento cirúrgico
  • Cálculo de ácido úrico: forma-se devido ao elevado nível de ácido úrico e costuma ser mais comum nos pacientes do sexo masculino. Pacientes que estejam fazendo quimioterapia têm grandes chances de desenvolver esse tipo de cálculo.

Quais são os sintomas do cálculo renal?

Quando os cálculos se deslocam do rim em direção ao ureter, os sintomas são marcados por:

  • Cólicas intensas que se irradiam para as costas e para a parte inferior do abdômen (pode ocorrer dor crônica de um lado só das costas)
  • Alterações no fluxo urinário (dificuldade para urinar ou necessidade de urinar com mais frequência, em pouca quantidade)
  • Ardência ao urinar
  • Infecção urinária
  • Repetição de sangue na urina
  • Febre
  • Náuseas e vômitos
  • Homens podem sentir dor na ponta do órgão genital e mulheres, nos grandes lábios da vagina

A dor é intensa e, geralmente, só alivia com medicação na veia.

O que causa o cálculo renal?

Entre os principais fatores de risco, estão:

  • Predisposição genética
  • Problemas no metabolismo (gota, síndrome metabólica, diabetes, hipertensão)
  • Baixa ingestão de água (deixa a urina concentrada)
  • Sedentarismo
  • Obesidade
  • Dieta rica em sais e proteínas (como refrigerantes e alimentos embutidos)
  • Hiperparatireoidismo (hormônio responsável pela regulação e equilíbrio do cálcio)
  • Imobilização prolongada
  • Obstrução das vias urinárias
  • Uso frequente de antiácidos, aspirinas e diuréticos
  • Presença de doenças inflamatórias intestinais, como a Doença de Crohn
  • Doenças raras como a Hiperoxalúria primária ou secundária (caracterizada pela deficiência total ou parcial das enzimas relacionadas ao metabolismo do glioxilato)

Como é feito o diagnóstico de cálculo renal?

Quando há suspeita de cólica renal, o médico solicita exames de imagem para confirmar a doença, como a tomografia computadorizada de abdômen e pelve, ultrassonografia do trato urinário, raio-X simples de abdômen ou radiografia contrastada dos rins.

Cálculo renal pode ser grave?

Se o problema não for tratado logo no início, os cálculos renais podem migrar para o ureter causando complicações, como:

  • Dilatação das vias urinárias
  • Infecções no trato urinário (o que pode provocar choque séptico e levar o paciente ao óbito)
  • Infecção generalizada através do sangue
  • Insuficiência renal (perda da função dos rins, podendo fazer com que o paciente tenha que se submeter à diálise)

Qual médico é indicado para tratar cálculo renal?

O paciente pode passar pelo clínico geral, que vai encaminhá-lo para o urologista, especialista no sistema urinário, ou para o médico nefrologista, dedicado aos problemas renais.

Como é feito o tratamento de cálculo renal?

Casos mais simples, quando os cálculos são pequenos (menores do que 6 milímetros), podem ser tratados com medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios.

O médico indicará o remédio adequado, já que alguns podem piorar o quadro aumentando a quantidade de cristais na circulação sanguínea. Também é recomendado o alto consumo de água para eliminação natural das pedras.

Já nos casos em que as pedras são maiores, estão alojadas no órgão ou obstruindo a passagem da urina, pode ser necessário um tratamento intervencionista ou procedimento cirúrgico, como:

  • Traqueostomia percutânea: é feito um pequeno corte nas costas para remover a pedra
  • Ureteroscopia (endoscopia do ureter): um cateter é inserido na uretra do paciente até chegar ao rim para tratar o cálculo
  • Litotripsia extracorpórea: emite ondas de choque eletro-hidráulicas que fragmentam as pedras, permitindo que o paciente consiga eliminá-las naturalmente pela urina
  • Cirurgia de glândulas paratireoides: para regular o nível de produção dos hormônios que aumentam os índices de cálcio no organismo

Como prevenir o cálculo renal?

A modificação dos hábitos alimentares e a alta ingestão de líquidos podem evitar os cálculos renais. Veja algumas medidas para prevenir o problema:

  • Aumentar o consumo de água: dessa forma, o fluxo urinário é maior e torna a urina menos concentrada, facilitando a eliminação dos componentes que formam os cálculos
  • Beber suco de laranja e limão: essas frutas ajudam a prevenir a formação dos cálculos renais por conta de uma substância chamada citrato. O ácido cítrico dá origem a um sal citrato que impede a formação de cristais e pedras
  • Reduzir o consumo de sal e sódio: quando consumidos em excesso, podem aumentar a produção de cálcio, fósforo, ácido úrico e oxalato, que provocam o surgimento de pedra nos rins
  • Reduzir o uso de bebidas alcoólicas: o álcool é perigoso para as funções renais e pode causar desidratação
  • Diminuir consumo de alimentos ricos em oxalato: batatas, café, chá preto e chocolate fazem parte dessa lista
  • Moderar o consumo de proteína animal: as proteínas elevam a secreção de ácido úrico e podem causar ou agravar quadros de cálculo renal
  • Praticar atividades físicas: os exercícios melhoram o fluxo sanguíneo e ajudam na filtração dos rins e da urina. Mexer os músculos também ajuda na eliminação de sais minerais
  • Sempre estar atento à cor da urina: se ela for extremamente clara, pode indicar excesso de água. Se for escura demais, significa falta de água

Artigo revisado pelo Dr. Fábio Poianas Giannini (CRM 100.689)

Assine e agende uma consulta

Escolha uma assinatura ideal para você e agende sua consulta agora:

Especialistas mais indicados para o tratamento

Clínico Geral

Leia mais no nosso blog Saúde V