Vale Saúde - Logomarca

Infecção Urinária

Diagnóstico e tratamento rápido amenizam sintomas deste problema muito comum em mulheres

Consulta presencial com urologista

A PARTIR DE

R$ 60*

Consulta online com urologista

A PARTIR DE

R$ 105*

Desconto em medicamentos

ATÉ

35%

O que é a infecção urinária?

Mais comum na vida adulta, a infecção urinária é qualquer infecção por micro-organismos que acometa o trato urinário. Dependendo da estrutura afetada, ela tem classificações diferentes: uretrite (uretra), cistite (bexiga) ou pielonefrite (rins). Embora vários micro-organismos possam causar o problema, geralmente a responsável é a bactéria Escherichia coli, presente naturalmente no intestino e importante para a digestão, mas prejudicial ao aparelho urinário.

Homens, mulheres e crianças estão sujeitos à infecção, mas ela é mais prevalente em mulheres porque suas características anatômicas as tornam mais vulneráveis. A uretra da mulher, além de muito mais curta do que a do homem, está mais próxima do ânus, o que favorece a passagem de micro-organismos para a região.

Embora a infecção urinária seja mais frequente em mulheres, homens também podem ter a doença em momentos de imunidade baixa. Ainda é importante dizer que ela não é uma IST (infecção sexualmente transmissível), mas pode ser proliferada através de relações sexuais.

A incidência de infecção urinária é de 80% a 90% em mulheres, é mais prevalente na idade reprodutiva e nas mulheres que estão na menopausa, devido à queda do estrogênio e de alterações no tipo e quantidade de micro-organismos que protegem a vagina.

Estima-se que metade das mulheres terá o problema ao menos uma vez ao longo da vida e 20% terá recorrência disso. Também ocorre com homens e mulheres idosos, inclusive é uma causa frequente de morte nesta faixa etária.

Quais são os principais sintomas de infecção urinária?

Os sintomas da infecção urinária são:

  • Dor na hora de urinar (disúria);
  • Ardência no local;
  • Aumento da frequência e urgência urinária;
  • Pressão e desconforto no baixo ventre;
  • Sensação de esvaziamento incompleto da bexiga;
  • Urinar em pouca quantidade;
  • Calafrios;
  • Urina muito escura ou turva e com odor forte;
  • Sangue na urina;
  • Dores na lombar;
  • Náuseas;
  • Febre baixa constante.

Como identificar sintomas de infecção urinária nos bebês?

Perceber os sintomas de infecção urinária no bebê pode ser difícil, pois as crianças menores não conseguem explicar o que estão sentindo. Fique atento a esses sinais:

  • Febre acima de 37,5ºC sem razão aparente;
  • Choro ao urinar;
  • Urina com cheiro intenso;
  • Presença de sangue na fralda;
  • Irritabilidade constante;
  • Diminuição do apetite.

Sempre que surgem esses sintomas, é importante consultar o pediatra para avaliar a possibilidade de o bebê estar desenvolvendo uma infecção.

Quais são as causas da infecção urinária?

Geralmente, a infecção urinária é causada por bactérias do trato gastrointestinal que chegam ao sistema urinário, sendo, por isso, mais frequente nas mulheres devido à proximidade do ânus com a uretra. As principais causas são a relação sexual e a migração desses micro-organismos por via ascendente da região perineal até a bexiga. Raramente ocorre pela via hematogênica (circulação sanguínea).

O risco de contrair uma infecção é maior após o sexo, provavelmente porque a uretra sofre microtraumas (normais durante a relação) e torna-se vulnerável à instalação de bactérias. Pessoas com diabetes descontrolado também têm risco aumentado, devido às alterações causadas pelas altas taxas de açúcar no organismo que caracterizam a doença. Nos homens, depois dos 50 anos, o crescimento da próstata e consequente retenção de urina na bexiga podem causar o problema.

É mais comum também em mulheres na menopausa, quando diminuem as taxas de estrógeno, hormônio que protege o trato urinário.

Como evitar a infecção urinária?

Manter o sistema imunológico forte é sempre uma boa dica para prevenir infecções e inflamações. Para isso, é interessante manter uma rotina saudável, com alimentação balanceada e exercícios físicos diários. Além disso, procure:

Beber muita água (média de dois litros por dia) - o líquido ajuda a expelir as bactérias da uretra e da bexiga; Urinar com frequência - reter a urina na bexiga por longos períodos contraindicado; Urinar depois das relações sexuais – isso favorece a eliminação das bactérias que se encontram no trato urinário; Redobrar os cuidados com a higiene pessoal - manter limpas a região da vulva e do ânus. Depois de evacuar, passar o papel higiênico sempre de frente para trás; Lavar-se com água e sabão - mas sem exageros, pois a lavagem em excesso pode prejudicar o equilíbrio da flora genital, importante para a proteção do nosso organismo; Evitar roupas íntimas muito justas ou que retenham calor e umidade - elas facilitam a proliferação das bactérias; Suspender o consumo de tabaco, álcool, temperos fortes e cafeína - essas substâncias irritam o trato urinário; Trocar os absorventes higiênicos com frequência para evitar a proliferação bacteriana.

Mais um aviso: mulheres que estão tomando imunossupressores ou que estejam com corrimento vaginal não devem fazer sexo neste período. É preciso terminar o tratamento para retomar a vida sexual, já que a infecção urinária também pode ter relação com estes dois fatores.

A ocorrência de cistite após a relação sexual pode, eventualmente, ter relação com alguma infecção sexualmente transmissível (IST) - embora seja uma causa menos frequente. O mais comum é que essas doenças provoquem sintomas que geram desconforto semelhante à infecção urinária. A clamídia, por exemplo, leva a uma dor pélvica na região da bexiga e nos órgãos internos femininos.

Já a tricomoníase e todas as vulvovaginites (infecções genitais femininas) causam uma secreção vaginal que pode provocar uma inflamação e fazer com que a mulher tenha ardência ao urinar e faça mais xixi, sintomas muito parecidos com os da cistite. Por todos estes fatores, é de extrema importância buscar a ajuda de um médico para que ele faça o diagnóstico e indique o melhor tratamento.

Homens e mulheres devem manter uma boa higiene antes e após o sexo, e os casais que praticam penetração anal devem sempre usar preservativo e descartá-lo logo em seguida (sem jamais seguir para a penetração vaginal sem essa troca).

Como tratar a infecção urinária?

O tratamento para infecção urinária deve ser orientado por um urologista, ginecologista (em caso de mulheres) ou clínico geral. Geralmente, o profissional da saúde receita antibiótico (como Ciprofloxacino, Norfloxacino, Cefalexina), mas é necessário fazer exames laboratoriais antes de começar a medicação, principalmente o de urina (urocultura), para ter certeza do diagnóstico. Se o início da ingestão do remédio for anterior à realização do teste, o resultado pode não ser confiável.

O tratamento dura de 5 a 10 dias, sendo importante tomar o medicamento até a data informada pelo médico, mesmo que os sintomas desapareçam antes disso. Ele deve ser ingerido de acordo com a forma prescrita pelo médico, sem interrupção do esquema de doses antes do final do tratamento. Quando a infecção não é corretamente tratada, pode chegar aos rins, sendo uma complicação mais grave.

O uso de antibióticos deve ser regido pelas seguintes regras: ter prescrição médica; respeito às orientações do profissional quanto ao esquema de doses e o tempo de tratamento (mesmo quando os sintomas melhoram em poucos dias). A eventual melhora não comprova que a bactéria desapareceu. Ela continua lá, mas em menor quantidade.

Esquecer de tomar uma dose na hora certa ou interromper a terapia antes do tempo estabelecido dá oportunidade à replicação das bactérias. A consequência pode ser a resistência bacteriana, ou seja, quando você precisar usar um antibiótico novamente, ele não terá o efeito desejado.

Também é importante beber mais água ou chás, pois quanto mais líquido o corpo tiver que processar, as bactérias são eliminadas mais facilmente pela urina.

Assine e agende uma consulta

Escolha uma assinatura ideal para você e agende sua consulta agora:

Especialistas mais indicados para o tratamento

Urologista