Vale Saúde - Logomarca

Bronquite

Condição ocorre quando há inchaço e irritação dos brônquios, os grandes tubos que transportam o ar para os pulmões

Artigo revisado pelo Dr. Fábio Poianas Giannini (CRM 100.689)

O que é bronquite?

A bronquite é uma inflamação nas mucosas que revestem os brônquios, estruturas que levam e trazem o ar a cada respiração. A pessoa que tem o problema costuma tossir muco mais espesso, que pode ser descolorido.

A condição pode ser aguda ou crônica. A bronquite aguda é bastante comum e frequentemente se desenvolve a partir de uma infecção respiratória ou um resfriado. Mais grave, a bronquite crônica é uma inflamação ou irritação constante do revestimento dos brônquios, às vezes devido ao tabagismo.

Em geral, a bronquite aguda apresenta melhora em um período de uma semana a 10 dias, sem efeitos prolongados. A tosse, no entanto, pode durar semanas.

Porém, se a pessoa tiver episódios repetidos, poderá apresentar o tipo crônico do problema, o que requer cuidados médicos. A bronquite crônica pode estar relacionada com a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Por isso, esse tipo de bronquite é perigoso.

O que causa a bronquite?

De maneira geral, a bronquite aguda é provocada por vírus, normalmente os mesmos que causam resfriados e gripes (influenza). Os antibióticos não matam os vírus, por isso, esse tipo de tratamento não é útil na maior parte dos casos.

O tabagismo é a causa mais comum do tipo crônico da condição. Gases tóxicos, poeira ou poluição do ar no local de trabalho ou ambiente também podem contribuir para o problema.

Quais são os sintomas da bronquite?

Para bronquite aguda ou crônica, os sintomas e sinais podem incluir:

  • Tosse
  • Fadiga
  • Falta de ar
  • Desconforto no peito
  • Febre leve e calafrios
  • Escarro, produção de muco que pode ser branco, claro, verde ou cinza-amarelado (também pode ser manchado de sangue, mas é raro)

A pessoa que tem bronquite aguda pode ter sintomas de resfriado, como dores no corpo ou uma dor de cabeça leve. Esses sintomas costumam melhorar em uma semana, mas uma tosse incômoda pode persistir por várias semanas.

O tipo crônico da doença é definido como uma tosse que dura ao menos três meses e crises contínuas acontecendo por dois anos seguidos, pelo menos.

Quem tem o tipo crônico da doença é provável que apresente períodos em que a tosse ou outros sintomas piorem. Nesses momentos, a pessoa pode ter uma infecção aguda em cima da bronquite crônica.

Em geral, um único episódio de bronquite não é motivo de preocupação. Porém, em algumas pessoas, ela pode levar à pneumonia. Ataques repetidos podem significar que a pessoa sofra de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

Quais são os tipos de bronquite?

Quando as pessoas falam sobre bronquite, elas geralmente se referem à aguda, uma condição temporária que faz a pessoa tossir. Alguns indivíduos têm o problema com tanta frequência que ela é considerada crônica.

  • Bronquite aguda: em geral, a bronquite aguda é decorrente de uma infecção viral e desaparece sozinha em semanas. A maior parte das pessoas não requer tratamento para a versão aguda. A bronquite é contagiosa quando causada por vírus ou bactérias. Sua transmissão é similar à gripe, ocorre por gotículas expelidas em tosse ou espirros.
  • Bronquite crônica: o paciente tem o tipo crônico da doença se tiver tosse com muco na maior parte dos dias do mês por três meses do ano. Isso dura pelo menos dois anos. Quem apresenta bronquite crônica pode ter doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Nesse caso, é indicado que a pessoa procure um médico e pergunte se deve fazer o teste para a doença.

Quais são os fatores de risco?

Alguns fatores aumentam o risco de desenvolver o problema. Eles incluem:

  • Refluxo gástrico: ataques seguidos de azia são capazes de irritar a garganta e tornar a pessoa mais propensa a desenvolver o problema
  • Fumaça de cigarro: quem fuma ou quem vive com um fumante apresenta risco maior de ter bronquite aguda e crônica
  • Exposição a irritantes: o risco de ter bronquite aumenta se a pessoa trabalha com irritantes dos pulmões, como tecidos ou grãos, ou for exposto a vapores químicos
  • Resistência baixa: a bronquite pode ser consequência de outra doença, como um resfriado, ou de um problema crônico que comprometa o sistema imunológico. Crianças pequenas, bebês e idosos são mais vulneráveis às infecções

Bronquite tem cura? Qual é o tratamento?

A maioria dos casos de bronquite aguda melhora sem tratamento ou só com o alívio dos sintomas, em geral dentro de algumas semanas.

Por outro lado, a bronquite crônica é uma condição que depende muito da intensidade e reversibilidade da agressão que os brônquios sofreram. É possível ter bom controle e uma vida praticamente normal em algumas situações, mas, em casos mais avançados, o prognóstico pode ser bem ruim.

Medicamentos

Uma vez que a maior parte dos casos agudos ou ataques (exarcebações) da bronquite crônica são provocados por infecções virais, antibióticos não têm eficácia. Porém, se o médico suspeitar que a infecção no paciente é bacteriana, ele pode receitar um antibiótico.

Em determinadas circunstâncias, o médico pode recomendar outros remédios, como:

  • Medicamento para tosse: se a tosse impede a pessoa de dormir, ela pode tentar supressores de tosse antes de deitar. A eficiência dessa abordagem costuma ser bastante baixa
  • Outros remédios: se o paciente tem asma, doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ou alergias, o médico pode sugerir o uso de um inalador e outros remédios para abrir passagens estreitas nos pulmões e diminuir a inflamação

Terapias

Se a pessoa tem bronquite crônica, pode apresentar melhora com a reabilitação pulmonar, técnica em que um fisioterapeuta ensina a pessoa a aumentar a capacidade de se exercitar e respirar com mais facilidade.

Quando procurar um médico?

Consulte um médico pneumologista se a sua tosse:

  • Impede você de dormir
  • Dura mais de três semanas
  • Produz muco descolorido
  • Produz sangue
  • É acompanhada por febre acima de 38ºC
  • Está associada a chiado ou falta de ar

Como é a prevenção da bronquite?

Para reduzir o risco da doença, existem algumas dicas:

  • Evite fumaça de cigarro: o risco de bronquite crônica aumenta com a fumaça do cigarro
  • Vacine-se: o vírus da gripe provoca muitos casos de bronquite aguda. Tomar a vacina anual contra a gripe ajuda nessa proteção
  • Lave as mãos: com frequência e use desinfetantes à base de álcool para reduzir o risco de contrair infecções virais
  • Use máscaras cirúrgicas: quem tem DPOC deve considerar o uso de máscaras faciais no trabalho se estiver exposição à poeira ou à fumaça e quando estiver no meio de multidões, como durante uma viagem.
Assine e agende uma consulta

Escolha uma assinatura ideal para você e agende sua consulta agora:

Especialistas mais indicados para o tratamento

Clínico Geral

Leia mais no nosso blog Saúde V