Vale Saúde - Logomarca

Candidíase

Infecção causada pelo fungo Candida albicans pode provocar inflamação e coceira na região genital

Consulta presencial com ginecologista

A PARTIR DE

R$ 140*

Consulta online com ginecologista

A PARTIR DE

R$ 90*

Desconto em medicamentos

ATÉ

35%

O que é a candidíase?

O fungo Candida albicans é um microrganismo que habita normalmente a flora vaginal. Entretanto, em períodos de desequilíbrio hormonal ou baixa imunidade, o fungo cresce excessivamente. E é nesse momento que se torna uma infecção, chamada de candidíase.

Com o sistema imunológico fraco, o fungo encontra na região genital (quente e úmida) uma área propícia para proliferação descontrolada. Em alguns casos, além da infecção nas genitais, a pessoa também pode sofrer com a candidíase em outros locais, como na garganta, na pele, nas unhas e na boca (o famoso “sapinho”).

Embora a candidíase seja mais frequente em mulheres, homens também podem ter a doença em momentos de imunidade baixa. Ainda é importante dizer que a candidíase não é considerada uma IST (infecção sexualmente transmissível), mas pode ser transmitida por meio de relações sexuais.

Quais são os principais sintomas da candidíase?

Os sintomas da candidíase são diferentes em homens e em mulheres.

Em mulheres, os principais sintomas são:

  • Coceira na vagina e no canal vaginal;
  • Corrimento branco e “coalhado”, similar à nata de leite;
  • Ardor local;
  • Dor ou ardência na hora de urinar;
  • Dor nas relações sexuais.

Já em homens são:

  • Pequenas manchas vermelhas e descamação no pênis;
  • Dor nas relações sexuais;
  • Coceira e dor na glande.

Tanto em homens quanto em mulheres, a depender da situação imunológica, o fungo pode se expandir para a pele e unhas, criando manchas e coceira, e na boca, gerando feridas e aftas.

Como evitar a proliferação do fungo?

Além da imunidade baixa e da desordem hormonal em mulheres, o fungo da candidíase pode se proliferar por alguns outros motivos, como:

  • Uso frequente de medicamentos como antibióticos, antifúngicos, anticoncepcionais e corticoides;
  • Ter relações sexuais sem preservativo;
  • Gravidez;
  • Obesidade;
  • Doenças como diabetes, Aids, HPV, câncer e lúpus;
  • Período menstrual;
  • Uso de roupas apertadas, como calças jeans, e roupas molhadas, como biquínis e maiôs, por um longo período;
  • Excesso ou falta de higiene: não é recomendado fazer higiene íntima mais do que 2 vezes por dia, mas é necessário tomar pelo menos um banho a cada 24h, utilizando água e sabão neutro na região genital;
  • Usar o mesmo absorvente por mais de 3 horas.

Evitar esses pontos auxilia a barrar a proliferação do fungo. Além disso, manter uma rotina saudável, com uma boa alimentação e exercícios físicos diários ajuda a manter o sistema imunológico mais forte.

Como tratar a candidíase?

A candidíase pode ser tratada por um clínico geral, por um ginecologista (em caso de mulheres) ou por um urologista (em caso de homens). Geralmente, o profissional receita pomadas e cremes antifúngicos de uso local ou até mesmo antifúngicos em cápsulas/comprimidos.

Se o paciente apresentar candidíase de repetição (ter a doença repetidas vezes em um curto espaço de tempo, mesmo com tratamento adequado), o médico pode prescrever o uso de medicamentos antifúngicos.

Assine e agende uma consulta

Escolha uma assinatura ideal para você e agende sua consulta agora:

Especialistas mais indicados para o tratamento

Urologista