Vale Saúde - Logomarca

Sobre a Vale Saúde

Rede de Atendimento

Blog

Ajuda

Sopro no coração

Condição nem sempre traz riscos, mas deve ser observada como indicativo de doenças cardiovasculares

O que é sopro no coração?

O sopro no coração, também chamado de sopro cardíaco, é um som provocado dentro de uma das partes do coração, gerado pelo movimento do fluxo sanguíneo.

Em alguns casos isso acontece quando o sangue precisa passar por um orifício que está menor do que o normal. Com isso, quando os médicos usam o estetoscópio para examinar e escutar o coração, podem perceber um ruído e identificar que o paciente possui essa condição.

Esse barulho é semelhante ao som de alguém assoprando em seu ouvido ou do vento passando por uma janela entreaberta, por isso, o nome “sopro”.

Portanto, o sopro no coração não é uma doença, mas uma característica que é encontrada durante o exame físico. Mas ela pode indicar um possível problema no sistema cardiovascular, como doenças cardíacas congênitas ou insuficiência cardíaca.

O que causa sopro no coração?

A condição pode ser congênita (desde o nascimento) ou aparecer com a idade devido a alterações em alguma parte do coração.

Também pode surgir como consequência de infarto, endocardite, febre reumática na infância, anemia (que faz com que o sangue fique menos denso e passe pelas válvulas do coração de maneira turbulenta) ou quando a válvula cardíaca está doente e o orifício de passagem do sangue está reduzido.

Além disso, existem causas de sopro que não configuram doenças, como quando o sangue flui mais rápido pelo coração devido à prática de atividades físicas e estados circulatórios hiperdinâmicos ou hipermetabólicos.

Sopro no coração: sintomas

Por si só, o sopro no coração não necessariamente apresenta sintomas, mas pode estar associado a outras situações, como:

  • Falta de ar

  • Tosse crônica

  • Tontura

  • Desmaio

  • Dor no peito

  • Palpitações

  • Transpiração intensa mesmo sem esforço

  • Falta de apetite

  • Inchaço no fígado

  • Pele azulada (principalmente nas pontas dos dedos e nos lábios)

  • Veias do pescoço aumentadas

  • Problemas de crescimento em crianças.

Quais são os fatores de risco?

Os fatores de risco para o surgimento do sopro no coração podem estar relacionados ao histórico familiar (se há alguém na família do paciente com doenças cardíacas).

Segundo especialistas, outros fatores são o uso de medicamentos, álcool e drogas durante a gestação, tabagismo, estresse, obesidade, hipertensão arterial pulmonar, febre reumática, anemia, endocardite, infarto e cardiomiopatia.

Quais os tipos de sopro no coração?

Os sopros do coração podem ser caracterizados por diferentes critérios:

Fisiológico x patológico

  • Sopro funcional ou fisiológico, que também é chamado de sopro inocente por não causar danos à saúde do paciente. Em geral, ele é um som suave e de curta duração.

  • Sopro patológico, que pode ser indicativo de doenças cardíacas ou resultado de problemas e alterações na válvula do coração, bem como de efeitos de complicações de doenças como a febre reumática e miocardite.

Sistólico x diastólico

  • Sopro sistólico (audível quando o coração se contrai para circular o sangue)

  • Sopro diastólico (audível quando o coração relaxa para facilitar o enchimento das suas cavidades com o sangue)

Além dos tipos de sopros cardíacos, há ainda a classificação em graus, de acordo com a intensidade e a gravidade. Mas não há uma relação direta entre intensidade e gravidade.

  • Grau 1: sopro discreto, inaudível para quem não tem ouvidos treinados

  • Grau 2: sopro médio, facilmente audível pelo estetoscópio

  • Grau 3: sopro alto

  • Grau 4: sopro muito alto, pode ser sentido com mão ao se tocar no peito da pessoa

  • Grau 5: sopro muito alto que pode ser escutado mesmo sem encostar o estetoscópio no peito do paciente

  • Grau 6: sopro tão alto que poder ser escutado mesmo sem estetoscópio.

Sopro no coração em bebês e crianças

Devido ao pequeno tamanho do coração e do sistema ainda em formação, não é incomum que crianças e recém-nascidos apresentem sopro no coração.

Como o corpo ainda está se desenvolvendo, muitas vezes os sopros são considerados fisiológicos ou inocentes, não atrasam o crescimento do bebê ou da criança e tendem a desaparecer sozinhos.

Crianças com esse tipo de sopro podem levar uma vida normal e sem restrições. Mas, se o sopro no coração infantil vier acompanhado de outros sintomas, como desmaio ou falta de ar, é importante que a família leve a criança ao cardiologista pediatra para analisar se pode ser sinal de alguma doença cardíaca.

Como é realizado o diagnóstico?

Para identificar alterações no funcionamento do coração, o cardiologista deve realizar exames clínicos completos. Isso inclui o uso do estetoscópio para ouvir o coração e a solicitação de exames de imagens complementares para um diagnóstico preciso da saúde cardiovascular.

Alguns dos exames mais comuns para identificar a condição são a radiografia do tórax, o eletrocardiograma e o ecocardiograma, que mede a velocidade do fluxo sanguíneo e analisa a válvula e tamanho do coração.

Sopro no coração tem tratamento?

O médico deverá avaliar caso a caso para indicar o tratamento do sopro no coração. Nos casos em que o sopro é normal (funcional, fisiológico ou inocente) e não apresenta riscos ao paciente, não é necessário tratamento, apenas atenção à qualidade de vida.

Já quando o sopro é patológico, dependendo da gravidade, o tratamento pode exigir medicamentos que regulem os batimentos cardíacos e funcionamento do coração, ou ainda a realização de cirurgia de correção do problema causador do sopro.

Como prevenir o aparecimento do sopro no coração?

O paciente deve adotar medidas que beneficiem a saúde do coração, tais como:

  • Controlar o peso

  • Ter uma alimentação saudável

  • Não fumar

  • Controlar o colesterol

  • Controlar a pressão arterial

  • Reduzir o consumo de sal

  • Evitar o estresse

  • Não consumir bebidas alcóolicas em excesso

  • Praticar atividades físicas regularmente

Sopro no coração é grave?

Muita gente tem dúvidas: o sopro no coração pode causar infarto? Ou será que o sopro no coração pode matar? As respostas vão depender da causa.

Muitos sopros são benignos e não oferecem riscos ao paciente. Outros são patológicos, ou seja, indicam a existência de doenças no coração que podem ter diferentes níveis de gravidade.

Sopro no coração tem cura?

Nos casos de sopro fisiológico ou inofensivo, a tendência é que a condição não necessite de nenhuma intervenção médica.

Já no caso de sopro patológico, o tratamento é individualizado para cada condição e cada pessoa. Pode haver a necessidade tanto de tratamento clínico, por meio de medicamentos, quanto pode ser preciso a realização de um procedimento cirúrgico.

O cardiologista é o médico responsável por indicar o melhor tratamento conforme o caso.

Assine e agende uma consulta

Escolha uma assinatura ideal para você e agende sua consulta agora:

Especialistas mais indicados para o tratamento

Clínico Geral

Tire suas dúvidas sobre a Vale Saúde na nossa central de ajuda

Vale Saúde - Logomarca
Vivo - Logomarca

A Vale Saúde é uma assinatura e não um plano de saúde.

*Valores de referência em SP Capital, podem variar dependendo do prestador e região do país, mas o preço exato será informado na solicitação de orçamento e agendamento. Os serviços de saúde são de inteira responsabilidade dos prestadores, sendo a Vale Saúde apenas meio de pagamento e plataforma que conecta o usuário com a rede credenciada. Valores sujeitos a alteração sem aviso prévio.

Copyright © 2022-2023 Vale Saúde. Todos os direitos reservados. CNPJ: 14.336.330/0001-67 | Av. Engenheiro Luis Carlos Berrini, 1.376 - Cidade Moções 04.571-936 – São Paulo/SP – Brasil